Canal Reggae visita Bob Marley Museum, em Kingston

Canal Reggae na Jamaica - Visitando Museu Bob Marley

Salve regueiro! Meu nome é Danilo Coca, sou vocalista da banda Almaria, fãnzaço do grande Nesta Marley desde moleque e faço parte do projeto Canal Reggae.

Há alguns meses, tive a honra de visitar a Jamaica com minha mina (nunca achei que teria a oportunidade!) e agora tenho o prazer de compartilhar com você, um pouco do que vi e aprendi na ilha.

Vamos lá! Eu moro em São Paulo e, como não existe voo direto daqui para Kingston, tive que fazer escala em Miami (também é possível pelo Panamá).

O voo levou cerca de 8h. De lá, peguei o avião para Kingston, já rodeado por rastas e crianças com lindas trancinhas coloridas. Cheguei em Kingston por volta das 11h da manhã e lembro do Sol estar bem ardido.

Passagem para Miami e depois Kingston
Passagens para o aeroporto internacional Norman Manley, de Kingston

 

Aeroporto de Kingston
Placa no aeroporto de Kingston

Na capital, há duas empresas principais de transporte, a Juta e a J-Cal. Peguei um táxi da Juta e fui para o hotel, estrategicamente escolhido por ficar a apenas 2km do Bob Marley Museum, na movimentada Hope Road (Estrada da Esperança).

No dia seguinte, fui direto para o museu. A entrada custou 20 dólares americanos. Na Jamaica, eles usam tanto dólares americanos quanto jamaicanos (1 dólar americano vale em média 115 dólares jamaicanos, mas cada estabelecimento decide qual taxa de conversão vai usar).

Logo na entrada você já enxerga a estátua em tamanho real do Bob, rodeada por 2 leões de pedra, com a grande casa ao fundo. Do lado direito, fizeram uma cafeteria, chamada One Love.

 

Entrada do Bob Marley Museu
Entrada do Bob Marley Museum, na Hope Road, 56 – Kingston

 

Lateral Museum Bob Marley

 

Estátua do Bob Marley
Estátua do cantor, com imagem das I-Threes abaixo: Judy Mowatt, Rita Marley e Marcia Griffiths

 

 

One Love Cafe
One Love Cafe

O tour começou onde geralmente fica uma Land Rover do Bob (já tinha visto fotos na net), mas não sei por que o carro não estava lá. A guia, animada e falando em inglês, contou que o Bob Marley Museum foi o local onde o astro viveu de 1975 a 1981. A casa em que ele morou depois de ter conquistado a fama e também onde veio a falecer, aos 36 anos de idade. Foi sua esposa Rita, quem transformou a casa em um museu, 6 anos depois.

De lá, caminhamos ao lado de um paredão coberto com diversas imagens do Bob, ao lado da família, com a banda e jogando futebol, seu esporte favorito.

 

Land Rover do Bob Marley
Antiga Land Rover do cantor (Foto de: www.twitter.com/jorgesordoyunes/lists/viajes-interesantes)

 

Patrimônio histórico nacional
O Museu se tornou patrimônio histórico nacional em maio de 2011

 

Parede Grafite Bob Marley
Paredão com imagens do Bob

 

Pintura Bob Marley em Parede
Eu e o mestre

 

Michael Manley (PNP) e Edward Seaga (JLP) no One Love Peace Concert
No canto direito, Bob une os adversários políticos Michael Manley (PNP) e Edward Seaga (JLP) no One Love Peace Concert

Então fomos em direção a entrada da casa, onde um senhor rasta nos esperava sentado nos degraus. Foi aí que a guia informou que aquele senhor era ninguém menos que Georgie, o amigo de Bob citado em uma das minhas músicas favoritas, No Woman No Cry (“… and then Georgie would make the fire light, as it was, logwood burnin’ through the night…”)!

Sem pensar duas vezes, pedi para tirar uma foto com ele e fiquei surpreso quando ele recusou dizendo que tiraríamos no final do tour.

 

Casa do Bob Marley
Frente da casa

Estátua do Bob no quintal

Ao entrar na casa, muito bem conservada, há uma grande escada que Bob costumava subir e descer seguidas vezes para se exercitar, pulando de 3 em 3 degraus. (Como não é permitido tirar fotos do interior da casa, pesquisei na internet algumas imagens importantes para mostrar pra vocês.)

Do lado esquerdo da escada, fica o estúdio onde Bob gravou alguns dos seus álbuns mais famosos. Em uma sala de madeira isolada acusticamente, a guia mostrou a grande mesa de som, sob uma redoma de vidro.

Do lado direito da escada, alguns cômodos com as paredes forradas por discos de ouro e platina, além de fotos e prêmios diversos.

 

Obama visita Museu Bob Marley
Obama durante visita ao Museu (Foto de: www.sirkenayo.com)

Ao subir a escada, fiquei muito contente em ver algumas das peças de roupa preferidas do astro. Estão todas emolduradas e presas à parede. Apesar do aviso, não resisti à tentação e encostei no fino vidro que me separava das roupas do meu ídolo.

Neste segundo andar, fica o quarto do Bob, com alguns de seus instrumentos pessoais, uma pequena cozinha e uma lojinha improvisada de souvenirs, onde a guia cantou com a gente um trecho da bela canção Zimbabwe.

Depois, descemos a escadaria e fomos para os fundos da casa, onde Bob compôs a música Three Little Birds, sentado sobre alguns degraus. Eu não sabia, mas os 3 passarinhos que ele se refere na canção são as I-Threes, suas 3 talentosas backing vocals.

Quarto do Bob Marley
Quarto do Marley (Foto de: www.viajarpelomundo.com)

 

 

Three Little Birds
Degraus onde o artista compôs Three Little Birds

Nos fundos, ficam também a sala onde bob sofreu um atentado de morte (ainda dá pra ver os buracos das balas na parede) e um grande quintal onde rastas e músicos se reúnem nos fins de tarde.

O atentado aconteceu em 1976, quando Bob anunciou que faria o concerto Smile Jamaica, no Parque dos Heróis Nacionais de Kingston, para acalmar a tensão entre dois partidos políticos rivais, que geravam violentas guerras na cidade.

Dois dias antes do festival, alguns homens invadiram a casa do Bob atirando. Sua esposa Rita e seu produtor Don Taylor sofreram ferimentos graves, enquanto Bob foi atingido apenas de raspão no peito e no braço.

Mesmo ferido, ele fez questão de se apresentar no concerto e, se não bastasse, cantou pela primeira vez a música Ambush in the Night (emboscada na noite), que compôs sobre o ocorrido.

Depois do evento, Bob passou um tempo morando na Inglaterra. Quando retornou à Jamaica, fez uma performance histórica no One Love Peace Concert, na qual uniu a mão de dois políticos adversários no palco, completamente tomado pela energia da música (vale ver o vídeo depois: https://www.youtube.com/watch?v=XKp670Yh0E0).

 

A sala dos tiros
A sala dos tiros

 

Bala de tiro contra Bob
Marca de uma das balas disparadas contra Bob

 

Fundos da casa do Bob
Jamaicanos relaxando e batendo papo nos fundos da casa

Saindo da sala do atentado, encontrei Georgie e Bongo Herman, um dos percussionistas mais respeitados da ilha, que já gravou com Jimmy Cliff, The Abyssinians e The Congos, entre outros nomes de peso.

Fui, então, tirar a tão esperada foto com Georgie e confesso que fiquei um pouco decepcionado quando ele fez o velho sinal de dinheiro com as mãos (mas pensando bem, ele deve viver disso, né?). Enfim, nada comparado a alegria de estar naquele lugar.

 

Georgie - amigo de Bob
Georgie, amigo de Bob citado em No Woman No Cry

 

Grafite Georgie
Grafite em homenagem ao Georgie: “Mantenha a chama acesa”

 

Percussionista Bongo Herman
O percussionista jamaicano Bongo Herman

 

Bongo fazendo um som
Bongo fazendo um som

Depois disso, fiz uma pausa no One Love Cafe pra dar uma relaxada e absorver tudo que tinha visto e conhecido no Museu (tava meio em êxtase ainda).

E então fui embora, felizão da vida ao lado da mulher que eu amo, em Kingston.

Nos próximos meses, vamos postar tudo sobre a visita do Canal Reggae nas outras duas casas do Bob: o Culture Yard, na favela de Trench Town, e o pequeno vilarejo de Nine Miles, no interior da ilha.

Jah Bless!

 

One Love Cafe
One Love Cafe

 

Mandala Bob Marley

 

 

Namorando estátua do Bob

 

Quintal casa do Bob

 

Praia de Kingston

 

____________________

Danilo Coca é vocalista e guitarrista da Banda Almaria.

Facebook: www.facebook.com/bandaalmaria